Como a nuvem e a IA podem transformar o setor de diagnósticos

Mesmo antes da crise de saúde global de 2020, muitas organizações ao redor do mundo estavam focadas na transformação digital. Elas estavam trabalhando com fornecedores de tecnologia confiáveis para desenvolver novos modelos de negócios, criar novas experiências, novos produtos e novos serviços para os clientes. A pandemia mudou tudo, paralisando os esforços de alguns setores e forçando outros, como o de saúde, a acelerar sua jornada rumo à digitalização e à nuvem.

Os benefícios de implementação rápida, flexibilidade, custos iniciais baixos e escalabilidade tornaram a computação em nuvem virtualmente universal entre organizações de todos os setores, geralmente como parte de uma arquitetura de infraestrutura híbrida / multi-nuvem.

Essa jornada tem caminhado a passos largos, e é uma transformação sem precedentes do ecossistema global de saúde, à medida que hospitais, médicos e pesquisadores adotaram uma nova geração de tecnologias digitais avançadas de saúde que os ajudaram responder à crise do coronavírus e lançar as bases para um futuro mais eficaz, acessível e equitativo para a saúde.

E o crescimento do uso de sistemas de Inteligência Artificial está atrelado ao crescimento da nuvem: a consultoria Deloitte prevê que a Inteligência Artificial será responsável por até 50% da receita total de serviços em nuvem até 2025. Nesse sentido, o próximo avanço significativo deve ser a unificação da IA com tecnologias de computação em nuvem.

Maior capacidade de processamento

A implantação de plataformas de Inteligência Artificial (IA) para análise de imagens médicas representa uma mudança significativa no fluxo de trabalho de hospitais e radiologistas. De muitas maneiras, esse campo sempre esteve na vanguarda dos avanços nas tecnologias que melhoram a movimentação, o gerenciamento e a análise de grandes quantidades de dados de saúde. Isso não deveria ser uma surpresa, visto que as imagens médicas são responsáveis por quase três quartos de todos os dados de saúde, e a análise de imagens médicas em 3D pode exigir muita capacidade de processamento.

Por isso, a infraestrutura em nuvem pode fornecer mais poder de computação do que seria possível com hardware local. Portanto, análises exigentes de grandes quantidades de dados podem ser feitas de maneira mais eficiente, o que, por sua vez, ajudará a treinar melhor a IA.

Além disso, provedores de serviços na nuvem oferecem diversas tecnologias como, por exemplo, a OCR (Optical Character Recognition), que extrai textos de imagens e documentos escaneados, permitindo a sua edição, busca e indexação, entre outros processos. Assim, com os laudos dos diagnósticos armazenados na nuvem, essa tecnologia pode estruturar os dados contidos nesses documentos, acabando com o problema de dados não estruturados, que não geram valor ou inteligência.

A oferta de recursos flexíveis de uma infraestrutura de processamento baseada em nuvem também permite que as instituições de saúde aproveitem o potencial da IA de mais maneiras do que poderiam se o executassem internamente. Elas poderiam usar a tecnologia para agilizar tarefas como triagem com chatbots, analisar estatísticas de rastreadores de saúde e oferecer recomendações personalizadas; enquanto os médicos se concentram em tarefas que requerem atenção médica profissional. Tudo isso será possível sem atualizar a infraestrutura de TI local.

Para os profissionais médicos e hospitais com infraestrutura de TI limitada e dispostos a se beneficiar de tecnologias avançadas, a infraestrutura baseada em nuvem apresenta uma solução adequada. Ela tem o potencial de impulsionar a adoção de ferramentas como IA sem a necessidade de atualizar a infraestrutura interna de TI.

Maior segurança no compartilhamento de informações

Outra vantagem do armazenamento na nuvem é a possibilidade de compartilhar informações a qualquer hora, em qualquer lugar, e com segurança, já que os provedores desse serviço líderes de mercado investem fortemente em políticas e sistemas de segurança, de modo a evitar vazamento ou roubo de dados. Além disso, os provedores contam com sistemas de backup e

redundância, garantindo a segurança dos dados em caso de desastres naturais ou tentativas de invasão.

Com essa possibilidade de maior compartilhamento seguro de dados, a nuvem permite que vários provedores de saúde agreguem informações de todos os atendimentos para criar uma visão completa do paciente. Com uma fonte única de informações sobre o paciente, atualizada em tempo real, os membros dispersos da equipe de atendimento têm autonomia para fornecer atendimento coordenado e eficiente.